Quem lê / Who's reading

domingo, 6 de abril de 2014

A Terra do Nunca

Foto: Google
Todos conhecem a história de Peter Pan e da Terra do Nunca. E eu acho que também todos nós já tivémos um lado Peter Pan, o menino que não queria crescer, e que na Terra do Nunca inventava novos jogos e pensamentos felizes, que o fizessem voar, sempre rumo a novas aventuras.
Também alguns conhecerão o filme "Hook", que conta que um dia ele não quis voltar à Terra do Nunca e ficou em Londres, onde casou com a neta de Wendy, com quem teve dois filhos. Com o passar dos anos, ele esqueceu-se de como se voava, de cantar como o galo, dos combates com os piratas, de tudo na Terra do Nunca.
Tornou-se em tudo um adulto diferente do Pan que tinha sido, um pai que começava a ficar cada vez mais ausente, um profissional que não olhava aos meios, desde que atingisse os fins.
Numa das primeiras cenas do filme, Wendy diz-lhe, triste, "Meu Deus, Peter, tornaste-te no Capitão Gancho!".
Um dia, os seus filhos são raptados e um bilhete manuscrito preso na parede acaba por levá-lo de novo á Terra do Nunca. Lá, deveria enfrentar o seu arquiinimigo, o Capitão Gancho. Só assim conseguiria salvar os seus filhos.
E é assim que, com a ajuda de Sininho e dos meninos perdidos, ele acaba por recordar como voar, cantar como o galo, e deixar a imaginação fluir.
Estas personagens têm algo de real, pois todos nós já fomos Peter Pan, e todos nós nos sentimos tentados a deixar-nos crescer como ele cresceu no filme "Hook".
Mas se é inevitável - e até necessário - que nos tornemos adultos, também acredito que devemos permitir-nos de vez em quando  até à nossa Terra do Nunca. Aquele lugar em que nunca crescemos, continuamos puros, e conseguimos voar ao invocar um pensamento feliz. Um lugar onde há piratas, mas em que combatê-los, será sempre uma grande aventura!
Por hoje, pouso a minha caneta e vou até lá! Espero encontrar-vos!

12 comentários:

  1. Fenomenal, Isa! Mas diria mais: tal como crescer é tornar-se adulto sem se adulterar, também a Terra do Nunca deve ser revisitada mesmo em estado adulto, abertos à experiência da essência e do eu, da genuinidade e entrega, e assim sermos Peter Pan em fatos de adulto...

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "tornar-se adulto sem se adulterar" - adorei esta idea, Daniel!
      Obrigada pelo comentário que acrescentou ao meu escrito! :)
      Beijinhos

      Eliminar
  2. a terra do nunca,
    é a nossa terra do sempre


    jamais estaremos sós!


    um abraço, Isa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E que nunca deixe de ser sempre! :)
      Um abraço, Manuela!

      Eliminar
  3. Isa,
    Por vezes é necessário perder-se na vida do dia a dia para poder, enfim, regressar à Terra do Nunca. Mas abrir mão de tudo, mesmo do que é desagradável, não é uma decisão que se toma com facilidade... mas uma vez tomada, podemos, enfim, redescobrir que somos :)
    Obrigada por esta viagem!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada eu pelas reflexões com que completaste este meu escrito, Dulce!
      Beijinhos

      Eliminar
  4. acho que todos nós gostaríamos de lá voltar, mas, teríamos também que voltar a ser crianças...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas que mal haveria nisso? ;) Pelo menos por uns momentos...
      Beijos, Piedade!

      Eliminar
  5. Sempre tão bom revisitar a magia de certas leituras!

    Beijo

    ResponderEliminar

Um espaço para outros olhares...
Obrigada pela visita!
This is a space for other looks on the world...
Thank you for your visit!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares